O Brasil de olho no que Obama tem para nos dizer

Entre um dos temas de seu discurso, Presidente americano pode anunciar o fim da necessidade de tirar visto para entrar nos EUA

Barack Obama, o primeiro presidente negro que os Estados Unidos já ousaram em ter, será também o nono presidente americano a tocar solo brasileiro. Por coincidência ou não, se encontrará com a primeira presidente mulher que o Brasil também ousou em eleger – Dilma Rousseff –  tratando sobre assuntos de interesses dos dois países.

Parece que os EUA estão olhando o nosso país com outros olhos, agora então que somos a sétima maior economia do planeta, e estando em grande evidência no cenário mundial, se compararmos com outros países que compõem ainda o que chamamos de América Latina.

O encontro que ocorrerá em Brasília e Rio de Janeiro promete fazer os brasileiros ficarem ligados em todos os passos que o senhor Obama e sua mulher, Michelle Obama, derem no trajeto que já foi demarcado e que será cronometrado superficialmente, começando às dez da manhã e terminando por volta das cinco e meia da tarde, neste sábado (19).

A princípio, Obama discursaria neste domingo (20) na Cinelândia, que são os arredores da Praça Floriano, no centro do Rio de Janeiro, porém, por decisão própria, segundo informações, o adepto do “Yes, we can”, escolheu por fazer seu discurso no Theatro Municipal da cidade. Não foi divulgado o motivo da escolha do presidente Obama em preferir o teatro ao invés de um discurso público, porém, se questionava sobre sua segurança, algo como 800 homens, desde policiais militares até forças nacionais de segurança, incluindo o exército brasileiro e homens contratados pelo serviço americano, que estarão fazendo o monitoramento de todo o trajeto, e estarão zelando por sua família, e claro, pelo próprio presidente.

Mas a visita à favela Cidade de Deus ainda está mantida. Várias celebridades de fora de nosso país sempre têm a curiosidade de conhecer estes pontos mais afastados dos bairros de classe social superior, e ver de perto a realidade destes e os projetos sociais que ali são exercidos. Situada em Jacarepaguá, na zona oeste do Rio, a Cidade de Deus se prepara para receber o tão aguardado convidado. O resultado da Unidade de Polícia Pacificadora, as UPPs, será colocada à prova. Nas ruas da comunidade, a expectativa para a chegada do maior ícone da política internacional é grande. Os moradores já começaram o multirão para fazer com que a Cidade de Deus fique marcada na memória do presidente norte-americano como um exemplo de resgate de cidadania. Crianças, adolescentes, famílias inteiras já começaram a se programar para dar as boas-vindas à Barack Obama.

Michelle Obama, a primeira dama americana, é vegetariana e não esconde a sua simplicidade ao cultivar produtos naturais. Em algumas circunstâncias, ela chama mais a atenção do que o próprio presidente, por seus atos simples e que demonstram um afeto pelas pessoas que a rodeiam.

Traficantes armados contra um grupo de policiais. No meio do fogo cruzado, um jovem corre risco de morte. A primeira clássica cena do filme Cidade de Deus – dirigido por Fernando Meirelles – rodou o mundo em 2002 mostrando a antiga realidade da comunidade, dominada pelo poder paralelo por décadas. A arte não imita mais a vida e Obama conhecerá os protagonistas da nova versão desta história, jovens sonhadores que estão conseguindo driblar as tentações que as ruas podem oferecer a todo momento, e mostrar que o que de mais frio que ali reserva, pode ser recusado com muita força de vontade.

Porém nem tudo parece ser um mar de rosas. Programada para ser uma festa, a passagem de Barack Obama pelo Rio de Janeiro, antes mesmo de acontecer, já está marcada pelo enfrentamento entre as autoridades públicas e os setores da sociedade que manifestam posição política contrária à visita do presidente dos Estados Unidos.

No consulado norte-americano, durante toda a sexta-feira circularam extraoficialmente diversas explicações para o cancelamento do ato público, passando por razões políticas, desde o conflito na Líbia, problemas de caráter sentimental em respeito às vítimas no Japão, e até mesmo pouco plausíveis, pois teria estourado o orçamento previsto para a viagem presidencial. Em nota, a diplomacia dos EUA limitou-se a dizer que “devido a uma série de preocupações quanto à realização do evento ao ar-livre, decidimos que a melhor opção é realizar o discurso em um local fechado”.

O ex-prefeito Cesar Maia divulgou em seu blog o conteúdo de um e-mail que recebera de “um delegado da área de inteligência” dando conta de que o ato público fora cancelado por temor das manifestações contrárias a Obama que estão sendo organizadas por algumas organizações dos movimentos sociais e partidos políticos. “Um grupo significativo de militantes foi sendo identificado por infiltração de quatro agentes. Levariam panos vermelhos, como lenços, ou mesmo camisetas vermelhas que seriam retiradas na hora, e outros sinalizadores de protesto. Distribuídos em grupos, ficariam como pólos espalhados no comício”, diz o delegado, identificado por Cesar pelas iniciais PRM.

Após incertezas por recusar um discurso aberto na Cinelândia, Obama fará o seu pronunciamento dentro do Theatro Municipal, no Rio de Janeiro.

O delegado, segundo o ex-prefeito, continua seu relato: “Num certo momento, ao meio do discurso, seria dado o sinal para que todos desfraldassem os panos e camisetas e cantassem, em uníssono, palavras de ordem contra o ‘imperialismo norte-americano’, ‘pró-palestinos’, ‘pró-Líbia’, e por aí vai. Tudo bem treinado como as torcidas de futebol. Simultaneamente, os celulares, smartphones e afins estariam gravando e transmitindo, ao vivo, para as redes sociais que multiplicariam as imagens e sons. Com isso, conseguiriam que a imprensa internacional multiplicasse com matérias do tipo: protestos contra Obama no Rio. Como a viagem de Obama ao Brasil tem como objetivo principal destacar a sua própria imagem, o comício aberto conspiraria no sentido contrário”.

Em todo caso, se a intenção do governo dos EUA era não chamar atenção sobre os descontentes com a visita de Obama, o tiro já começa a sair pela culatra, com a ajuda da polícia do Rio de Janeiro. Um ato convocado para o final da tarde de sexta-feira na Candelária e que contou com cerca de 250 militantes de sindicatos e partidos como PSTU, PSOL, PCB, PCdoB, PDT e PT descambou para o enfrentamento e a violência quando os manifestantes chegaram em frente ao consulado norte-americano.

Enquanto os manifestantes tentavam se aproximar do portão do consulado e eram contidos com mais veemência pelos policiais do 13º Batalhão da Polícia Militar, dois artefatos incendiários foram lançados. Um deles explodiu no asfalto, mas o segundo atingiu o vigilante do consulado Rodolfo Gomes Pereira, que sofreu queimaduras no braço e na barriga. Logo em seguida, os policiais partiram pra cima dos manifestantes com spray de pimenta, cassetetes e bombas de efeito moral, além de dispararem balas de borracha.

Ao final do confronto, treze manifestantes, um deles menor de idade, foram presos e levados à 5ª DP (Centro), onde passaram a noite. Na manhã deste sábado (19), o menor foi encaminhado à Delegacia de Proteção à Criança e ao Adolescente, e os presos maiores foram transferidos para os presídios de Água Santa (homens) e Bangu (mulheres). Todos prestaram depoimento durante a madrugada e poderão ser indiciados por incêndio criminoso e lesão corporal.

O presidente Obama pode anunciar o fim da necessidade da retirada de visto para entrar em território americano. Cerca de 900 mil brasileiros viajam anualmente para os EUA, e 600 mil americanos chegam ao Brasil. Se valendo pela reciprocidade, os americanos também precisam tirar visto para vir ao Brasil.

A transferência dos manifestantes detidos para presídios pode acirrar ainda mais os ânimos dos militantes que pretendem realizar um ato contra a presença de Obama no Rio às 10h de domingo (20), com concentração no metrô da Glória. A intenção inicial da manifestação seria se deslocar até a Cinelândia. Com a mudança do discurso público de Obama para um discurso fechado no Teatro Municipal, os organizadores ainda estudam a melhor estratégia para o ato, de forma a evitar eventuais novos confrontos com a polícia.

Mas seja qual for o esquema, a visita de Obama será de grande valia para o Brasil. Não há certezas sobre a derrubada do visto para que a entrada de brasileiros na Terra do Tio Sam seja facilitada de alguma forma. Vale lembrar que por meio da reciprocidade, os americanos tambÉm precisam de visto para entrar no Brasil, mesmo que a quantidade de brasileiros seja maior do que a de americanos que visitam estes dois países. Com o crescimento econômico do nosso país, o poder de compra se torna maior, o que pode aumentar significadamente a economia através do turismo, nos Estados Unidos, principalmente por brasileiros, a nacionalidade que mais está presente nos EUA.

Por: Raphael Ezonne

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s