Mubarak renuncia: população comemora nas ruas do Egito

Após trinta anos no poder, o país se vê livre de um governo ditador

Com a multidão que não sai das ruas exigindo sua renúncia, e depois de deitar e rolar no cargo que exerceu com gosto e mão de ferro por quase 30 anos, quase preparando o terreno para o filho Gamal sucedê-lo, como se o Egito fosse uma monarquia, o eterno presidente do Egito Hosni Mubarak, mesmo após uma declaração onde se dizia “cheio” do poder, abandonou o cargo mais alto daquele país. Essa pode ser uma justificativa da renúncia, tanto que na manhã de hoje (11/02/2011), Mubarak se dizia resistente e não abandonaria a presidência de forma alguma.

O resultado disso também pode ser encontrado através dos quase dezoito dias de manifestação nas ruas do Cairo, capital do Egito. Mais de trezentos mortos, pressões internas e externas, um homem de oitenta e dois anos de idade, e uma população cansada de uma rotina sem expectativa alguma.

Ontem, ele deu uma declaração que dizia categoricamente que permaneceria no cargo, recebendo com grande fúria os gritos da multidão que, obviamente, queria que acontecesse o contrário, até aquele momento. Após este pronunciamento, milhares de egípcios marcharam até o palácio presidencial onde estava o ditador, para, novamente, pedir a sua saída.

Os manifestantes sofriam agressões de todos os tipos. Quase trezentos mortos foram contados, onde estes quando morriam, tinham os corpos levados pela multidão, passado de mão para mão.

Os erros do então, ex-presidente Mubarak, eram assumidos pelo próprio, que chamou os mortos nesta rebelião em todo o país de “mártires”. Ainda salientou que, se tivesse ficado no poder, honraria todos os cidadãos e os que perderam as suas vidas em favor de um país democrático.

Hosni Mubarak, de primeiro nome Muhammad, tornou-se vice-presidente em 1975 e sucedeu a Anwar Al Sadat, depois que este foi assassinado, em 6 de outubro de 1981, a partir de sua ascensão na Força Aérea Egípcia. Seu governo fora marcado por progressos nas relações com os países árabes e pelas barreiras fixadas com Israel, especialmente após a invasão israelense do Líbano, em 1982. Mubarak reafirmou o tratado de paz com Israel em 1979, ao abrigo dos acordos de Camp David, e cultivou boas relações com os Estados Unidos. Durante a Guerra do Golfo, posicionou-se ao lado dos EUA, contra as intenções expansionistas do Iraque de Saddam Hussein. Desempenhou também um papel importante na mediação do acordo entre Israel e a Organização de Libertação da Palestina, assinado em 1993.

No mês passado, estimulados pela queda do chefe do governo autoritário da Tunísia Zine El Abidine Ben Ali, centenas de milhares de egípcios iniciaram protestos exigindo a renúncia de Mubarak ao redor do país, principalmente nas cidades do Cairo, Alexandria e Suez. No início deste mês, mais de um milhão de pessoas tomaram a praça Tahrir, no Cairo, na maior demonstração contra Mubarak até então. Protestos maciços também ocorreram em outras cidades do Egito, no mesmo dia em que Mubarak declarou que deixará o cargo após eleições previstas para o mês de Setembro, onde afirmou que não as disputará.

Com as mesmas características ditatoriais e com um bom tempo no governo, a forma de governar entre o ex-presidente Mubarak e o atual presidente da Venezuela, Hugo Chávez, se assemelham pela forma categórica de comandar os seus países. Chávez está no poder há doze anos.

Casos como esse, onde um governante se mantém no cargo por um longo período de tempo, queira a população goste ou não, são muitos em todo o planeta. Aqui na América do Sul, na vizinha Venezuela, por exemplo, Hugo Chávez, considerado o 53º presidente do país, está frente ao governo há pelo menos doze anos. As características destes políticos que ficam por muito tempo governando um país são muito semelhantes. Os Estados Unidos e a Venezuela  já tiveram muitos desentendimentos ao longo desses anos, e ainda afirma que  Chávez  é uma ameaça à democracia na América Latina. Observadores internacionais, como Jimmy Carter e a ONG Human Rights Watch, criticam o “autoritarismo” do presidente e o “amplo espectro de políticas que minaram os direitos humanos” no país, durante seu governo.

Mas, no começo da tarde de hoje, os brasileiros puderam novamente acompanhar mais um capítulo da tragédia, que felizmente teve o seu tão aguardado final. O vice-presidente do Egito, Omar Suleiman, anunciou nesta sexta-feira que o presidente Hosni Mubarak havia renunciado. Suleiman fez o anúncio em uma breve declaração na TV estatal e disse que Mubarak entregou o poder ao alto comando das Forças Armadas. A multidão de manifestantes que pedia sua saída há 18 dias, comemorava nas ruas do Cairo, aplaudindo, balançando bandeiras, se abraçando, tocando buzinas e afirmando: “O povo derrubou o regime”.

Omar Suleiman, então vice-presidente do Egito (ao centro) discursou hoje e deu a notícia que o presidente Hosni Mubarak (à esquerda), havia renunciado de seu cargo.

A Agência Reuteurs, divulgou a informação que o presidente Hosni Mubarak não estava mais na sede de seu governo, e que sequer se encontrava na cidade, segundo a televisão árabe al-Arabiya. A emissora começou por noticiar que Mubarak tinha deixado o Egito com “destino desconhecido”, mas retificou minutos depois noticiando que o Presidente saiu do Cairo, não do Egito.

A BBC cita também uma notícia do canal israelita Channel 10, segundo a qual Mubarak foi para a estância turística egípcia de Charm el-Cheikh, onde tem uma residência.

O destino do país ainda está indefinido. Políticas econômicas e todo o processo de estruturação da nação ainda está sem foco, mas a população, mesmo com a incerteza do que fazer daqui para frente, sabe que estará mais livre do que antes.

Por: Raphael Ezonne

Anúncios

Um comentário sobre “Mubarak renuncia: população comemora nas ruas do Egito

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s