Qual a mensagem que os skinheads querem passar?

Quando se estamos na rua, é normal encontrarmos pessoas de diferentes tribos que se vestem e têm atitudes diferentes das outras pessoas. Em cidades grandes, como São Paulo, a diversidade cultural é bastante natural, quando há a reunião de pessoas de outros países com costumes diferentes dos nossos, ou então com alguma influência direta sobre as pessoas que são naturalmente daqui, e formam grupos de pessoas com características semelhantes para uma melhor interação.

Assim como foram criados vários grupos de pessoas por conta da política, ou mesmo da música, que vieram os famosos “skinheads” que as pessoas tanto temem. Na capital paulista, há um grupo destes que assumem preconceito contra homossexuais, nordestinos, punks e até mesmo negros.

Um caso curioso que chamou a atenção dos brasileiros em 2009 foi o do rapaz que se converteu novamente, após ter participado ativamente do grupo.  Em entrevista à jornalista Monica Weinberg da Veja, Jorge Soler, hoje com 21 anos é negro, usa óculos, carrega um terço no pescoço e nunca se preocupou em ganhar músculos para se exibir nos embates de rua. Tem o perfil adequado para ser uma presa dos skinheads, que significa cabeça raspada, em inglês, nome pelo qual são conhecidos esses militantes da intolerância e da selvageria que costumam espancar nas ruas pessoas com as características já citadas, porém pertenceu ao grupo dos skinheads por cerca de três meses, denominados “Carecas do ABC”, que não discrimina os negros, mas nutre ódio especial contra homossexuais, estrangeiros e punks.

Jorge Soler (à esquerda) é o primeiro caso de que se tem notícia no Brasil de um skinhead que abandonou o movimento e denunciou seus colegas de pancadaria. Depois de três meses na prisão, junto com outros dezessete skinheads dos Carecas do ABC, acusados de formação de quadrilha e homicídio, Jorge resolveu trocar de vida. Denunciou cinco colegas pela morte de um adestrador de cães e passou a colaborar com a Justiça. Hoje, respondendo em liberdade a processo por homicídio cujo julgamento deve ocorrer até o final do ano, ele aderiu ao programa de proteção à testemunha, cuja missão é garantir sua vida.

Filho único de uma dona-de-casa e um comerciante, Jorge mudou-se com os pais para o interior de São Paulo e sua casa é permanentemente vigiada por policiais. Formado no ensino básico, queria cursar administração de empresas, mas tem medo de entrar na universidade. Receia que, com uma rotina definida, vire alvo fácil dos skinheads.

Como podem percebem, há as diversas variações do termo, mas ele é originário de um mesmo lugar. O Skinhead é uma subcultura originária dos jovens da classe operária no Reino Unido no final dos anos 60, e mais tarde espalhada para o resto do mundo. Chamados desta forma devido ao corte de cabelo, os primeiros skinheads se originaram dos mods britânicos, e foram fortemente influenciados pelos rude boysjamaicanosque imigraram para a Inglaterra nessa época, em termos de moda, música e estilo de vida. Essa subcultura era originalmente baseada nestes elementos, e não na política nem em questões raciais. No final dos anos 70, entretanto, a raça e a política viraram fatores determinantes, gerando divergências e divisões entre os skinheads. O espectro político dentro da cena skinhead abange da extrema-direita a extrema-esquerda, apesar de que muitos skinheads sejam apolíticos.

A moda skinhead apresenta um estilo particular de se vestir (que costuma incluir botas e/ou suspensórios), o culto à virilidade, ao futebol e ao hábito de beber cerveja. A cultura skinhead é também ligada à música, especialmente ska (ue teve sua origem na Jamaica no final da década de 1950, combinando elementos caribenhos como o mento e o calipso e estadunidenses como o jazz, jump blues e rhythm and blues), o skinhead reggae (também conhecido por early reggae foi o nome dado à música feita pelas primeiras bandas de reggae, gênero musical muito popular na subcultura da classe trabalhadora inglesa no final dosanos 60), e o streetpunk/oi! (associado ao facismo e ao neonazismo, pois muitos skinheads neonazistas ouviam esse tipo de som e iam aos shows. Porém, várias bandas iniciais do estilo como Cockney Rejects, Sham 69, The Oppressed, The Redskins entre outras, se declararam publicamente contra essa associação), como também punk rock e hardcore punk.

A partir da década de 1980, a constante pressão da mídia sensacionalista inglesa acerca da infiltração do preconceito racial dentro da cultura skinhead (infiltração promovida por uma política deliberada do partido de extrema-direita National Front), somada ao surgimento de um engajamento político dentro desta cultura (tanto à esquerda quanto à direita, além do anarquismo) resultou na fragmentação em vários submovimentos rivais. Desde então, constantemente estes grupos não reconhecem uns aos outros como verdadeiros representantes da cultura skinhead, e é comum que cheguem a se enfrentar fisicamente.

Entre os principais atritos estão as divergências explícitas como entre esquerdistas e direitistas, racistas e não-racistas, politizados e apolíticos. Mas também há grande hostilidade entre um grupo de divergência sutil como os nazistas, conservadores xenófobos e defensores de uma supremacia racial branca, anti-semitas e neonazistas.

Conheça as variações do skinhead, e de como cada um deles se originou.

Skinhead Trojan é um indivíduo que se identifica com a subcultura skinhead original britânica do final dos anos 60, quando o ska, rocksteady, reggae e soul eram populares, e houvia uma forte ênfase na influência do estilo de vestuário mod (teve início em turmas de garotos adolescentes cujas famílias eram ligadas ao comércio de tecidos em Londres. Esses primeiros mods eram geralmente de classe média, obcecados pelas tendências da moda e estilos musicais, como ternos italianos bem justos, jazz moderno e rhythm and blues. Sua vida social urbana era impulsionada, em parte, por anfetaminas).

Já os Suedeheads foram uma tendência skinhead surgida entre 1970 e 1973. Assim como os suedeheads, havia outros grupos que também tiveram uma curta existência como os smoothies, os crombie boys entre outros. Eles são outras dessas tendências, formada por skinheads freqüentadores das festas com os estilos musicais citados, e que lotavam as entradas dos clubes e bailes, e como 1969 ainda era recente, havia uma enorme influência do universo mod, tanto no seu lado musical, visual e no seu estilo de vida.

O estilo de vida dos suedeheads tinha um certo sentido “revival”, mais de maneira bem mais moderna que ajudou a fundar costumes no meio skinhead. Assim como os mods, eles gostavam de cultuar a imagem, estavam sempre arrumados, alinhados, botas e sapatos bem polidos. Também estavam sempre em festas, envolvidos na vida noturna. Os suedeheads foram responsaveis por popularizar muitas das marcas de roupas conhecidas hoje em dia como marcas tradicionais da cultura skinhead.

Os redskins, no contexto da subcultura skinhead, é um skinhead esquerdista comunista ou socialista. Este movimento surgiu em oposição ao movimento bonehead que estava se desenvolvendo no mesmo período. O termo é uma combinação da palavra red (uma gíria usada para socialista ou comunista) com a da palavra skin que é um termo curto usado para skinhead. Os redskins tomam uma posição anti-fascista e militante (por vezes revolucionários) da classe pró-trabalhadora. Cintas vermelhas e laços às vezes são usados pelos redskins para indicar suas tendências de esquerda, embora em algumas áreas geográficas este itens são usados para indicar as convicções da extrema direita. Alguns redskins têm cabelos curtos raspados mais atrás e dos lados, deixando-os mais evidendes no centro da cabeça, por oposição ao tradicional de toda cultura, enquanto os nazi skins costumam raspa-lo totalmente.

E outras diversas pessoas pertenciam a outros grupos de skinheads com características e filosofias diferentes. No nosso país, por exemplo, os “Carecas do Brasil” evidenciaram um outro tipo de subcultura que se expandiu por todo o território nacional. Surgido no início dos anos 80, como uma dissidência do movimento punk na zona leste de São Paulo e no ABC paulista, não tinham nenhuma informação e ligação com a cultura skinhead do final dos anos 60 e início dos anos 70, mas foram influenciados pelo punk que existia na Inglaterra dos anos 80. A proposta original era um retorno às origens do movimento punk paulista, aliada à uma ideologia baseada na violência e no vandalismo, no patriotismo, no anti-racismo, no anti-militarismo, contra os políticos e seus partidos, contra a polícia, contra a igreja. Com o passar do tempo, foram se desvinculando dessa proposta original e adquiriram um caráter conservador, que levou a se posicionar e promover ações contra esquerdistas, diferentes tribos urbanas (em especial àquelas ligadas ao pensamento de esquerda), drogados e homossexuais. Facções ligadas a neonazistas também agridem, em alguns casos, judeus, prostitutas, e outras minorias.

Atualmente, sua postura ideológica é fundamentada, numa mistura de nacionalismo, homofobia, anti-racismo, anti-comunismo, anti-anarquismo e anti-drogados. Sua postura ideológica é confusa e cheia de contradições. Embora assumam uma postura anti-racista, ouvem bandas internacionais ligadas a ideologia white power, cujo estilo musical é denominado de RAC (envolvidas em países europeus e norte-americanos com ideologias racistas) e as bandas de carecas brasileiros se auto-rotulam dentro desse estilo. Sua postura anti-drogados entra em contradição com o problema do alcoolismo dentro do movimento careca.

Anúncios

46 comentários sobre “Qual a mensagem que os skinheads querem passar?

  1. Cada forma de pensamento inadequada para nossa posição (HUMANOS)
    tanto ódio dentro de si mesmos , tanta ignorância que causa essa rivalidade entre grupos que no fim ocupam espaço no cemitério para quem morrer naturalmente.

    O que tem de ruim ser ou ter um característica diferente , pensar ou agir de outra forma que não seja a sua. ninguém sai da mesma placenta ou são cultorizados (kk essa inventei) pelos mesmo pais . se procuram alguma diferença para poderem matar agredir, vamos fazer um ring tamanho família entrar todo mundo e vai ser cada um por sí.
    Ninguém compartilha da mesma idéia/cultura 100%

    seja você Gay,Nazista,Skin,Negro,amarelo,Vermelho,Branco,Nordestino,DO sul, do oeste,do fundo do mar,de narnia,de Oz,EUA,Cuba,Italia,Aqui da rua de traz ou ate mesmo pessoas da rua de cima isso mesmo ate eles.Vão viver suas vidas namorar,viver ter filhos ter experiências boas aproveitem seus 70~100 anos ou em alguns casos 1~20 para experimentar coisas boas da vida e não bater na outra pessoa ao seu lado.

    é serio vão criar um cachorro um peixinho acordar de manha e pensar hummmm o que vou fazer de bom hoje?

    não acordar no pensamento de acabar com a vida de outra pessoa que nem mesmo conhece.

    a menos que você tenha permissão comprovada para isso de uma força maior (Ets ,Deuses,Semi Deuses)

    Obs: Que ainda estejam vivo

    é isso ai boa sorte na vida perfeita que você acham que devem seguir

    Heil Hitler Heil Alagoas Heil Guris Aloha my friends
    kkk

    Boa tarde a todos

    Curtir

  2. Salve geral, sou Negro, gay e skin, sigo peolo queer skin, que nao citaram aqui, mas exatamente, estamos totalmente fora do contexto de carecas nazistas e esses lixos do tipo. Nao deixem se confundirem pela midia, e ao OTARIO que comentou ali em cima, queria eu trombar ele na rua pra ve se ele é tão fodao assim, LIXO LIXO DA SOCIEDADE

    Curtir

  3. Só sei de uma coisa…o nazismo nunca será bem sucedido,não tem como.O dinheiro manda no mundo aqui no Brasil por exemplo como o Neo-nazismo venceria o PCC?muitos integrantes do PCC são negros,nos EUA como os nazistas iriam vencer a Gangsta?como?Vai ver se skinhead vai meter o louco em favela vai ver…

    Curtir

  4. Negros, homos, e nortestinos são o câncer da raça humana, esse último é o atraso do brasil. não me dirijam a palavra pessoas que se enquadram nesse perfil maldito. O fato é, que vou morrer com minha opnião, mas morrer matando quem atravessar meu caminho,hii hitler . ./ |

    Curtir

  5. O sait está de parabéns infelizmente no brasil ninguém pode estar careca,coturnos vermelhos,suspensório e etc.. que já é apelidado de skin sendo que há vários tipos
    consegui resgatar bastante coisa do sait!

    Curtir

  6. cada um é dono do seu orificio anal,e cabe ao DONO e a mais ninguem,decidir seu fim
    Esses neo-nazistas são muito intrometidos na vidas dos outros..
    deixa fazer o que quiser com a bunda,afinal gosto é gosto e cada um tem o seu,
    estaria tudo bem se eles não concordassem com o homossexualismo E NÃO MATASSEM (ou batesseM) por isso! eles não percebem que ficam adoecidos por uma guerra tão vã..

    EE tudo isso,pq a igreja impoe para além de seus fiéis..

    Curtir

  7. E isso mesmo SANTOS nazistas ate o fim derrotando esse bandos de lixos sociais, que so trazem vergonha… Esses q defendem essas merdas de gays ou ja comeram um gay ou é prq alguem da familia deles e um viadinho q gosta de da o cu… Essas pragas so trazem desgraças quanto o governo vai gastar em uma porcaria dessas??? E pra q?? Q bem isso vai trazer pra sociedade??? NADA… Aqueles travestis fi de umas bucetas leiteiras so sabem se prostituir nas ruas.. pra q??? prq so servem pra isso… pra da o cu, ainda tem desgraçados q comem isso. Qual seria a solução entao pra esses seres despresiveis?? Extermina-los…

    Curtir

    1. Cadê vcs mano ? essas pragas de Gays estão ganhando campo. Estão criando um ditadura gayzista que está foda ! Skinhead de volta porra !!! Moe essas pragas na porrada !

      Curtir

  8. EU SOU FAN DO NEO DO BRASIL TENHO BANDEIRA NAZISTA ESTES GAYS LIBISCA SAO TODOS LIXOS HUMANO NAO RESPEITA AS LEIS DE DEUS,AINDA TEM PAI MAE QUE LEVA SEUS FILHOS PARA VER ESTA MERDA DE PARA GAY,E ESTO AI SKINHEADS JA TEM MEU APOIO O NEO NAZISTA JAMAIS ACABAR MAIS ESTES LIXOS DE GAYS ,LIBISCA TEM MORRE,QUE APOIA ESTES LIXO HUMANO E DE PARADA GAY, LIBISCA A PROVEITA DA UM BONECA PARA SEUS FLHOS SER FOR DO SEXOS MACULINO,SER FOR DO SEXOS FEMININO DA UM CARRINHO,SO PARA QUEM APOIA ESTA PORCARIA DE GAYS ,LIBISCAS,…………………….(QUEM ODEIA ESTES LIXOS HUMANO DE GAYS ,LIBISCA (JUNTA AOS NEO NAZISTA DO BRASIL ( SKINHEADS JAMAIS SERA DERROTADO NO MUNDO E NO BRASIL

    Curtir

    1. O cara que coloca isso na mente pode ser vitorioso em quê ! Rebeldes da causa morta. Vou mandar p/ vc um desenho lindo que deveria ser publicado em todos livros de História do Brasil. Hitler de quatro pé sendo enrrabado por Zumbi dos Palmares ! Psicopatinha !

      Curtir

  9. EU SOU FAN DO NEO DO BRASIL TENHO BANDEIRA NAZISTA ESTES GAYS LIBISCA SAO TODOS LIXOS HUMANO NAO RESPEITA AS LEIS DE DEUS,AINDA TEM PAI MAE QUE LEVA SEUS FILHOS PARA VER ESTA MERDA DE PARA GAY,E ESTO AI SKINHEADS JA TEM MEU APOIO O NEO NAZISTA JAMAIS ACABAR MAIS ESTES LIXOS DE GAYS ,LIBISCA TEM MORRE

    Curtir

    1. Claro que li, velho. Essa contextualização histórica, segmentação dos grupos, nada mais é que uma visão romântizada dos fenômenos. Se hoje você quiser, pode se tornar um skin, bastando pra isso encaixar-se no padrão do grupo. É o que fizeram no passado, fazem até hoje, não há nada demais nem especial.

      Eu tenho ideologia política enraizada, sou liberal de esquerda, independentemente do que eu escute e do que eu vista, e mais, sou muito feliz por conseguir debater minhas ideias, conviver e trabalhar junto de pessoas com ideias opostas, ter vestes que me permitam entrar no ambiente que eu quiser, não carrego o estandarte do preconceito. Pelo caminho contrário, se você tirar o aspecto ideológico dos grupos skin, o que sobra é um amontoado de jovens que podem ser comparados aos playboys: um estereótipo ruim de conteúdo e de visual.

      Curtir

  10. e pra completar punks e skins nao vivem em guerra…mais nazistas e punks sim e muitas vezes skins se juntam a punks para evitar confrontos…nao vou dizer q nenhum dos lados esta certo pois usar de violencia nem sempre e o melhor metodo pra defender ideais.mais como jah disse conheço skins e punks tmb q nao gostam de briga e as evitam a ponto de nao passar perto de certos pontos da cidade…como jah disse nao adianta levar tudo q a tv fala a serio…punks,skins,emos,indies,pagodeiros,funkeiros,hipsters e etc. sao apenas diferenciados por estilos..nao e pq a pessoa e de um estilo mal falado q ela e uma ma pessoa,nao se pode falar nada sem conhecer pelo menos o basico de alguem…ser de uma tribo nao muda o carater de uma pessoa e sim a educação q recebeu…

    Curtir

    1. Manipulado pela TV? Papo do mané, cara. Nem TV em casa eu tenho. Boçal demais esse papo pseudo-antropológico, uma falácia argumentativa para proteger um desvio social, por mera conveniência. Qualquer grupo que coloca a ideologia frente aos bons preceitos do convívio social é igualmente reprimível. A confusão de skinheads e neonazistas não é midiática, é pragmática, causada pelos próprios delinquentes, ao longo dos anos! As “linhagens” do movimento são empre associadas ao conservadorismo, ao fascismo e, principalmente, à intolerância e ao ódio. Por que não podemos criticar os grupos skin? Porque são violentos e inconsequentes. Educado estará o cidadão que souber que seus ideais são defendidos por ARGUMENTOS, que música é uma questão de gosto, apenas, que vestimenta é só um passe pra um grupo social, não define personalidade, e que NADA justifica a violência.

      Punks, Skin, Emos, Indies, Pagodeiros, Funkeiros, Hipster etc são apenas jovens (ou mais velhos que não souberam deixar o tempo passar) sem algo que os defina no dia a dia, achando nas “tribos” eum refúgio para suas vergonhas. Estilo é individual, cada indivíduo é diferente, pena que tanta gente decida ser exatamente igual.

      No mais, recomendo que mude de curso antes de posar de psicólogo. Sou Administrador e não quero saber dos teus negócios, portanto vá falar de publicidade para os seus clientes.

      Curtir

  11. o jeremias falo muito bem…enquanto o guilherme se mostrou um pouco manipulado pela midia…skins muito pelo contrario q mostra a tv não sao todos nazistas,da mesma forma q nem todo punk e anarquista…c procurar saber um pouco mais q e televisionado e importante nesse caso,conheço muitos skins de mais de 30 anos,pais de crianças educadissimas e nao deixam de se afirmar skins…a questao e q nem tudo q reluz e ouro…nao acredite em tudo q diz a tv…como publicitario sei q e um meio q faz o possivel pra adentrar no psicologico das pessoas e faze-las mudar costumes e ideologias so pq alguem influente na midia disse ou pq prescisam vender mais alguma coisa q a 5 anos atras era completamente inutil

    Curtir

  12. Os skinheads não podem ser confundidos com neonazistas.Isso é um absurdo!Todo mundo fala de preconceito e os skinheads?Que são chamados de nazistas.Não são vítimas de preconceito?Imagina se alguem te chama de nazista e vc não é.Como vc se sentiria?O problema é que tudo que envolve liberdade de expressão a mídia suja a imagem.Fizeram isso com o punk,fazem com skinhead,e vão fazer com qualquer coisa que envolva liberdade de expressão.Pobre daqueles que acham que vivemos em uma plena domocracia.

    Curtir

  13. Não importa o que o skin é, já foi ou será, é um movimento arruaceiro transvestido de ideológico. Comparativamente, são iguais aos pichadores, às gangues de escola. Seu único efeito na sociedade é o medo, o MESMO medo causado pelo banditismo, pela pobreza e o tráfico, que os grupos skin no geral dizem repelir. Uma pessoa séria, trabalhadora, um pai de família, uma mãe, por exemplo, raramente conseguem participar de grupos assim e JAMAIS o fariam de forma aberta, pois sabem que é socialmente reprimível, é grotesco. Não há nada mais gratificante do que ter ideologias E saber conviver com as pessoas, disseminar ideais com argumentos, poder se relacionar com pessoas que te valorizam como um ser humano, contribuir com a vida em sociedade e aplicar os valores da vida em comum. Sem a máscara do SKIN, aquele jovem se torna um NADA, pois além de ter uma ideologia facilmente desmontável, contraditória, vive agarrado em futilidades restritas à gangue, ou seja, fora daquele ambiente ridículo e autorreferente, torna-se mais um inútil. Felicidade, skinheads: vocês nunca terão!

    Curtir

  14. Falou muito e praticamente não falou nada, como ja disseram…
    Na minha opinião falar do inicio do movimento skin sem falar de Ian Stuart e seus pensamentos no inicio do movimento não diz nada.

    Questão do duas-caras citado acima, é um covarde, pois todos sabemos que sem guerra não a paz. Para uma nação melhor, é necessário tirar as escórias que estão nas ruas.

    Curtir

  15. o artigo esta muito bom…porem ainda ataca os skins…conheço muitos skins de subdivisoes ai nao citadas,qndo essas deveriam ser as principais como antifa skin e a rash,muitas vezes esses sao pacifistas e completamente contra o movmento fascista…coisa que nao fica clara nos redskins movimento q deu origem as duas subdivisões por min citadas

    Curtir

  16. Parabens!! Infelizmente no Brasil, qualquer grupo de pessoas com cabeca raspada é chamada de skinhead/nazista… a midia nao sabe diferenciar. Eu sou psychobilly, and direto com os skins TRAD e SHARP e nunca tive problemas. Inclusive vou em varios shows de Oi! e SKA. Um dos maiores skins que eu conheco é negro e ninguem acredita!! Espero que esse seu texto seja difundido, e as pessoas possam abrir um pouco os olhos!

    Abracos!

    Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s